por carracuca

”Estou indo embora”, ele disse. ”Fica mais um pouco”, ela disse.

Mal se escutavam. Ele entendeu o recado. Passou os braços pela cintura dela. Cercados por desconhecidos. ”Vem comigo”, ele disse. Ela colou o seu corpo no dele. ”Não posso”, ela disse. Tinham a mesma altura. Tinham ambos o rosto claro. Tinham ambos olhos pretos, cabelos pretos, lisos. Estavam ambos de azul-marinho. ”Pode sim”, ele disse. E parecia que se conheceram há uma eternidade. ”Em qual mês você nasceu?”, ela perguntou. ”Ótimo”, ele respondeu. E a levou.

Amanhecia, e escutavam Lhasa De Sela no sofá da sala do apartamento dele. O Labrador dourado que os acompanhava era do tamanho do labrador preto dela. Liam o mesmo livro, ela descobriu (Homem Comum).

Na varanda, um pé de mexerica era visitado por maritacas. No canto, um canteiro com ervas, chás. Foram pra cama só depois de ela experimentar o seu capim-limão.

As verdades que ela não diz (Marcelo Rubens Paiva)

Anuncios